Gostei(15)Não Gostei(0)

[Especial Arcades] NESiCAxLive: O Arcade Definitivo.

thumb_nesica_blog

 

Antes de começar quero agradecer ao Gabriel Barbosa que postou o artigo sobre Engenharia Reversa do Nintendo Switch na fanpage do Velberan in Miracle World, Muito Obrigado a todos que leram e gostaram (velbs S2!)


 

Máquinas de arcade sempre encheram os olhos das crianças que tiveram suas infâncias concentradas na década de 90. Com jogos na maioria das vezes extremamente bem feitos, títulos de peso como Captain Commando, Street Fighter e The King of Fighters fazem parte de boas lembranças na maioria dos jogadores que tiveram o prazer de desfrutar desses fliperamas.

Embora esses sistemas tenham sido praticamente extintos em terras tupiniquins, a coisa anda de uma maneira completamente diferente em países de primeiro mundo – principalmente no Japão. Com áreas consideráveis e sendo dedicadas somente à esses sistemas, reunir-se com os amigos para tirar aquele “racha” ainda faz parte da rotina de muitos jogadores.

Mesmo que as memórias dos brasileiros esteja repleta de partidas onde “quem perdesse pagava a próxima ficha”, assim como os consoles de mesa, os arcades evoluíram exponencialmente, contando com sistemas de ranking nacionais e até mesmo com a possibilidade de enfrentar outros jogadores a distância, através da internet.

Voltando um pouco no passado, até 1997 os jogos de fliperama já enchiam os olhos com sua beleza gráfica, jogabilidade e variedade (mesmo que a maioria dos títulos se concentrasse apenas em beat ‘n run e jogos de luta). Mas foi em 1998 que a revolução começou, quando a SEGA anunciou para o mundo o SEGA Naomi – New Arcade Operation Machine Idea.

Tal placa contava com recursos altamente avançados para a época, além de possuir jogos de alto nível com avanços gráficos e avanços em sua jogabilidade. Abaixo segue uma lista de bons exemplos de títulos que desfrutaram dessa tecnologia:
– Capcom vs. SNK
– Marvel vs. Capcom 2: New Age of Heroes
– Crazy Taxi
– Guilty Gear X
– Guilty Gear XX: The Midnight Carnival,#Reload e Slash
– Melty Blood: Act Cadenza
– Monkey Ball
– Ikaruga

A lista apresenta títulos conhecidos do Dreamcast, também da SEGA. Isso acontece porque o console compartilhava da mesma arquitetura e processador da placa de arcade. A principal diferença é que a NAOMI contava, em seu modelo básico, com o dobro de RAM e de vídeo, além de 4x mais memória de audio. Em termos atuais a placa Naomi está para o PS4 Pro, assim como o PS4 está para o Dreamcast.

 

03

Naomi/Naomi 2 (Seria o famoso e não lançado Dremcast 2?)

Não fosse o bastante, outro hardware que se baseou no NAOMI foi o Atomis Wave, produzido pela Sammy Corporation, e contava com o selo da SEGA em suas máquinas. Mesmo que não tenha sido um sucesso comercial como aquele que deu sua origem, a Atomis Wave conseguiu títulos notórios vindos diretamente da SNK, que na época ainda era da Playmore, já que a placa NEOGEO MvS não tinha poder suficiente para bater de frente com suas concorrentes. Alguns de seus jogos mais famosos são:
– Samurai Shodown VI / Samurai Spirits Tenkaichi Kenkakuden
– The King of Fighters Neowave
– The King of Fighters XI
– NeoGeo Battle Coliseum
– Metal Slug 6

Atomiswave
Atomiswave

 

Mesmo que os principais lançamentos tenham acontecido entre 2003 e 2006 – ano que a placa foi oficialmente descontinuada, dois jogos foram lançados em datas posteriores: em 2008 o sistema recebeu o game sega Clay Challenge – jogo de tiro ao alvo olímpico – e, em 2009, Sega Bass Fishing Challenge, baseado na franquia de jogos de pesca.

Como dito antes, a placa não fez tanto sucesso, o que resultou em jogos que foram anunciados, mas não lançados:
– Chase 1929
– Force Five
– Kenju
– Premier Eleven
– Sushi Bar

Depois do fim da Atomis Wave, a Sammy Corporation se
fundiu com a SEGA e, em paralelo, os servidores da AW-Net – responsável pelas partidas online do sistema – foram desligados.

Com o advento das placas Naomi e Atomiswave, os modelos que surgiram depois não reinventaram a roda; ao invés de criar uma nova tecnologia, os modelos seguintes utilizaram arquiteturas próximas aos de computadores, o que barateou o custo de produção e proporcionou sistemas mais robustos.

Uma das mais conhecidas no mercado é a placa Taito Type X, da empresa Taito, que chegou a ter 7 variações:
– Taito Type X/X+
– Taito Type X7
– Taito Type X²
– Taito Type X² Satellite Terminal
– Taito Type X Zero
– Taito Type X³
– Taito Type X4

Para ilustrar as similaridades com os PCs, os modelos básicos da Type X, por exemplo, utilizavam as seguintes configurações:

Windows XP Embedded com um Celeron 2,5GHz
400-800 MHz FSB,Chipset Intel 865G
GPU Radeon 9600SE e 256MB RAM DIMM

Tendo seu lançamento em 2004, o sistema Taito contava também com um sistema de proteção contra dumps bastante eficiente, já que utilizava um HDD encriptado 2 Channel Parallel ATA (UATA-100 – 66 – 33) e 2 channel SATA como media. Mas como a vida não perdoa – e muito menos os hackers -, em meados de 2012 uma pessoa conseguiu acesso a um dos HDs utilizados pelo sistema e, após conseguir quebrar a proteção do mesmo, realizou vários dumps dos jogos que ali se encontravam. Dentre os jogos do sistema, os que merecem mais destaque são:
– Half-Life 2: Survivor e Survivor 2.0
– Mobile Suit Gundam: Spirits of ZEON
– Pokémon Battrio
– Raiden III e IV
– Tetris The Grand Master 3: Terror Instinct
– The King of Fighters ’98 Ultimate Match
– The King of Fighters ‘2002 Ultimate Match

Com lançamentos entre 2004 e 2010, as principais mudanças no hardware da Taito ocorreram no transição para o Taito Type X² e, após isso, na Type X³, que contava com as surpreendentes especificações:
– CPU: Intel Core i3/2120, Core i7/2600
– Graphic: NVIDIA GeForce GTX560Ti
– Memory: Up to 16GB
– Storage: Up to 3TB HDD
– SSD: 16GB

02

Taito Tpe X

Impressionante, principalmente pelo fato de ser melhor que muita máquina em pleno 2017. O modelo mais novo da Taito, Taito Type X4 conta com uma configuração ainda mais parruda, principalmente no quesito de RAM, GPU e HDD, além de um OS lançado em 2016. Um fato curioso: após o lançamento da Type X2, não houve mais nenhum caso de dumps de jogos. Acredita-se que isso acontece porque grande parte dos jogos também saíram para consoles e PC e pelo fato dos sistemas atuais utilizarem o famoso NESiCAxLive.

Anunciado em 2010, o NESiCAxLive foi um sistema de distribuição digital para arcades produzido pela Taito. O sistema pode ser comparado com os consoles, uma vez que todas as máquinas rodando esse tipo de sistema baixavam jogos digitais através da rede – algo similar aos sistemas PSN e XBLA -, abolindo assim a necessidade de se trocar de gabinete toda vez que um novo jogo fosse lançado ou adquirido. Outro fator interessante é que o sistema também contava com aplicativos e acessórios curiosos, como o NESICA IC Card, que salvava informações do usuário como seu perfil e ranking competitivo, por exemplo.

Outro ponto a favor do sistema é – ou pelo menos foi – seu sistema de segurança. Durante 6 anos de vida o primeiro dump de um jogo ocorreu apenas em Dezembro do ano passado e, com ele, a quebra definitiva do sistema de segurança do arcade. Se por um lado isso é muito bom para os jogadores que não têm acesso a esses arcades e seus jogos exclusivos – como a maioria dos brasileiros -, por um lado isso poderia ser ruim para o mercado de Gamecenters, uma vez que com a iminente onda de dumps menos empresas possam querer lançar seus jogos para o NesicaxLive.

Mesmo com os problemas da pirataria, as perdas podem – e provavelmente serão – mínimas, porque nessa mesma época fora anunciado o NesicaXLive 2, sendo essa uma versão atualizada e melhorada para os arcades, que conta com as seguintes empresas já confirmadas tendo participação:
– Arc System Works (Guilty Gear, BlazBlue)
– Examu (Arcana Heart, Nitro+ Blasterz)
– FK Digital (Chaos Code)
– G.Revolution
– Square Enix
– French-bread (Melty Blood, Dengeki Bunko)
– SNK

05Taito Type X4 com sistema NESiCAxLIVE

 

Tendo até mesmo The King of Fighters XIV como um dos títulos de lançamento, não seria estranho ver também até mesmo Dissidia rodando nos sistemas, já que o mesmo já é executado em um PS4 modificado e com o recente desejo por parte da Square Enix em transformar o título em um eSport.

E é isso. A evolução dos arcades, apesar de terem seguido o fluxo natural das coisas, foi uma coisa louvável para cena, tanto na qualidade dos jogos como no aprimoramento do hardware e dos sistemas onde eram executados.

Já a parte que diz respeito aos dumps, essa é e foi comemorada por parte da comunidade de fãs de arcades, principalmente pelo fato de que alguns jogos já lançados em consoles terem versões mais atualizadas e balanceadas em sua versão arcade, como a versão 2.0 de Persona 4 Ultimax Ultra Suplex Hold, conhecida como Persona 4 Arena aqui.

E você, caro leitor, tem alguma opinião a respeito dos títulos exclusivos dos arcades, ou alguma experiência que gostaria de compartilhar? E qual sua opinião sobre a viabilidade de trazer o NesicaxLive para o Brasil? Deixe nos comentários!

Gostei(15)Não Gostei(0)

[Arquivo] Podcast NewsInside

Olá pessoal aqui é o Amido, espero que estejam gostando como o NewsInside tem ficado desde a saída do Tio, tenho feito muitas coisas para melhorar aqui e ano que vem já haver varias novidades para todos vocês, com intuito disto, estamos aqui com um recado DO PROPRIO TIO SOLID !!!!!

Ele me pediu vir divulgar que hospedou todos os podcasts ja feitos por ele lá no archive.org, abaixo tem o link e podem ir lá ouvir e baixar como quiserem desde o 1 !!!

[Arquivo] Podcast NewsInside

Gostei(14)Não Gostei(3)

[3DS] Lançado SigHAX/Boot9

sighax

E uma das melhores coisas da scene 3ds finalmente teve seu lançamento: o lançamento do SigHAX/Boot9. Para quem acompanha a cena, seu ápice – juntamente com todas as descobertas envolvidas com esse fato – foi o lançamento do arm9loaderhax, fazendo com que os 3ds pudessem acessar a vasta biblioteca de apps, Custom Firmwares e ainda por cima contar com os updates oficiais da Nintendo sem risco de ter seu acesso a homebrew bloqueado.

Com o lançamento dos novos hacks o arm9loaderhax passa a ser considerado “obsoleto”, algo que muitos não acreditavam ser possível. Trocando por miúdos e de acordo com FAQ do novo release:

Sighax é um exploit descoberto por derrek, onde ele usou uma cópia dumpada do bootrom para ter toda custom firmware lida como válida durante a parte de verificação da sequência de início do 3DS”

Boot9

Apesar de ser meio confuso para a maioria dos users, isso quer dizer qualquer CFW pode ser reconhecido pelo aparelho como se fosse um firmware oficial da Nintendo, algo que lembra que muito o que houve na era PSP.

Para os usuários finais o lançamento pode não parecer importante a primeiro momento, pois os frutos disso serão melhores aproveitados pelos devs que poderão criar novas e melhores CFWs a partir disso. Contudo, a principal CFW do momento, Luma3DS, já saiu na frente e seus desenvolvedores não darão mais suporte a ela para os usuários do Arm9.

Para quem está na dúvida ou com algum receio, nós da equipe NI já atualizamos nosso aparelho com boot9 a partir do 3ds Guide, o mais completo guia de desbloqueio da atualidade. Nele é possível encontrar o passo a passo completo para quem nunca desbloqueou seu aparelho ou apenas deseja atualizar do Arm9 para o Boot9.

Para mais informações a respeito do release, acesse esse tópico no GBATemp. Qualquer dúvida, basta mandar nos comentários.

Via GBATemp
Agradecimentos ao Walter Silva por nos comunicar da notícia

 

Gostei(7)Não Gostei(0)

[PS4] Descoberta forma de decriptar as Sealedkey / pfsSKKey – chaves dos save games e troféus

nioh

imaginem esse manolo do rank de nioh só que mais uns 30mil dele iguais ou pior !!!

Parece que a alvorada de cheaters no PS4 está para avançar mais um passo. O motivo para preocupação se dá pelo fato de que foram descobertas como decriptar e encriptar as Sealedkey / pfsSKKey, que nada mais são do que as chaves dos SaveGames e troféus no sistema. E o que isso quer dizer? Isso quer dizer que trapaceiros e pessoas de ego baixo podem obter troféus e platinas sem sequer jogar os jogos, além de conseguirem trazer alguns cheats para o modo online.

De toda a cena homebrew e seus exploits a pior parte é quando cheats são descobertos e se tornam acessíveis no modo online. Particularmente não tenho nada contra quem usa cheats offline. Muitas vezes a pessoa só quer se divertir obtendo invencibilidade ou quer obter aqueles itens dificílimos sem precisar fazer esforço. Agora, no online, onde a diversão de todos é o objetivo principal, esse tipo de situação é desprezível.

No momento esse tipo de situação ainda vai demorar a vingar, uma vez que para decriptar os arquivos é necessário utilizar um DevKit do PS4, mas vamos esperar os próximos capítulos dessa novela. Com esse tipo de avanço, não me surpreenderia se lançassem algo similar ao Henkaku para o PS4.

Via: PS3hax

 

Gostei(2)Não Gostei(0)

Emulador CEMU – Wii U

 

 

O emulador de Wii U, Cemu, que ainda está em fase inicial de desenvolvimento, com jogos já bastante jogáveis, e já rodam com uma taxa de quadros mínima, no video acima vocês já podem conferir 2 jogos de destaque do sistema sendo eles o mais recente Zelda Breath of the Wild e um mais antigo Mario Kart 8. fiquem a vontade para dizerem o que acharam do emulador em sua versão mais atual (1.7.5) e alguma sugestão do proxímo emulador a testarmos aqui.

Gostei(5)Não Gostei(0)

[Artigo do Leitor] Raspberry Pi

Este artigo foi feito pelo leitor e participante do nosso forum RomsOnline ele se prontificou após eu ter visto o conteúdo e conhecimento dele nessa pecinha maravilhosa chamada Raspberry.

Mande o seu também via Mensagem Privada no forum :D


10

O que é o Raspberry?

Raspberry Pi é um computador do tamanho de um cartão de crédito, que se conecta a um monitor de computador ou TV, e usa um teclado e um mouse padrão, desenvolvido no Reino Unido pela Fundação Raspberry Pi. Todo o hardware é integrado numa única placa. O principal objetivo é promover o ensino em Ciência da Computação básica em escolas.

A Fundação Raspberry Pi começou a aceitar pedidos para vendas a partir de 29 de fevereiro de 2012.

É um pequeno dispositivo que permite que as pessoas de todas as idades possam explorar a computação para aprender a programar em linguagens como Python. É capaz de fazer tudo que você esperaria de um computador desktop, como navegar na internet, reproduzir vídeo de alta definição, fazer planilhas, processamento de texto, e jogar jogos. É usado por crianças de todo o mundo para aprender como funcionam os computadores, como manipular o mundo eletrônico ao redor deles, e como programar.

Na tabela abaixo podemos observar a diferença entre as versões 0 à 3.

rasp

 

Nesse review vamos no restringir ao Raspberry Pi 3, que é a última versão disponível.

O QUE É O RASPBERRY PI 3?

O Raspberry Pi 3 é a versão mais recente do circuito computador que causou um rebuliço em 2012, quando a primeira versão foi lançada. A versão 3 é a mais recente do Pi.

Para alguns isso pode parecer o tipo de atualização anual dos fabricantes de celulares. No entanto, adicionar mais poder de processamento, Wi-Fi e Bluetooth para o Pi sem aumentar o preço, torna-o agora a mais versátil placa “all-in-one” a um custo/benefício acessível. Para quase todos, é claramente o melhor Pi.

RASPBERRY PI 3 – CONCEPÇÃO E CARACTERÍSTICAS

O Raspberry Pi 3 é idêntico ao Raspberry Pi 2. Isso significa que os proprietários que compraram o case para o Raspberry Pi 2, podem usar esse case feito ou impresso em 3D que será capaz de encaixar no modelo Raspberry Pi 3 sem problemas. Para aqueles que não se depararam com um desses computadores antes, é mais ou menos o mesmo tamanho da palma da sua mão.

Por U$ 35 você obtém apenas a placa do computador: nenhuma fonte de alimentação, nenhum case, nem cabos. No entanto, todos os proprietários de smartphone Android ou Windows será capaz de usar o seu carregador de telefone 5V e um cabo para ligar o Raspberry Pi 3. Ele usa microUSB, porém, você vai precisar de um plug de amperagem alta (até 2.5A se tiver muitos de periféricos), no lugar dos 1A, que tendem a vir com telefones mais baratos.

O Pi 3 tem portas idênticas ao velho Raspberry Pi 2. 4 USBs, 1 porta Ethernet e 1 HDMI em tamanho real compõem seus principais conectores. Nenhuma das USBs são de velocidade 3.0, apenas 2.0, mas algo muito mais rápido iria desnecessariamente elevar o orçamento, enquanto estas placas são projetadas para funcionar com um cartão microSD.

Não há armazenamento interno para o Raspberry Pi, apenas um slot microSD na parte de baixo. Esta porta suporta o padrão microSDXC de maior capacidade, para que você possa pegar um cartão microSD de 128 GB e ter um multiemulador portátil em suas mãos.

A única outra porta convencional sobre o Raspberry Pi 3 é um conector de áudio de 3,5 mm.

Onde o Raspberry Pi 3 desvia o projeto Raspberry Pi 2 está em incluir Wi-Fi (b / g / n) e Bluetooth na própria placa. Em placas anteriores, você tinha que usar adaptadores USB para esses recursos. Eles adicionam volume ao aparelho e o uso das portas USB. Você ainda pode usá-los se o seu case atual interfere com os sinais sem fio.

Quando o Pi 3 foi lançado, o padrão Raspbian OS não suportava estas novas conexões, mas já foi corrigido.

O Raspberry Pi 3 ainda possui 40 pinos GPIO. Estes são usados para conectar itens como LEDs, motores e qualquer outra coisa que você puder pensar para projetos. Entre as portas HDMI e 3,5 mm está a porta de conexão da câmera, também herdado do Raspberry Pi 2. O Raspberry Pi Foundation vende uma câmera de 5 megapixels por USD 25.

Dependendo do seu case para o Pi 3, você pode querer usar esses conectores a todo o tempo ou deixá-los livres e usar os conectores USB mais simples.

03

RASPBERRY PI 3 – SOFTWARE E SUPORTE DOS SO

Se você comprar o Raspberry Pi, nenhum software está incluído. Os downloads dos vários sistemas operacionais suportados são todos gratuitos, mas há um valor a pagar se você deseja obter um cartão microSD pré-carregado que lhe permitirá começar a usar imediatamente.

Por exemplo, Pi Hut vende um kit inicial que inclui um carregador, cabo HDMI, cabo Ethernet, case e cartão de memória de 8 GB por USD 50. Isso não é um mau negócio, mas isso significa que os compradores que estão simplesmente atrás de algo para transformar sua velha TV em uma TV smart podem fazê-lo pagando uma taxa extra. Naturalmente, isso é muito menos atrativo para você “brincar” com seu Pi.

O Raspberry Pi 3 é projetado principalmente para executar o Raspbian baseado no Debian, agora reconhecido como SO “oficial” do Raspberry. Raspbian é cheio de aplicativo e o mais importante, livre.

Desde a sua chegada, em 2012, varios itens têm sido adicionados ao Raspbian. Neste ponto em seu desenvolvimento, pode ter todas as características que você poderia desejar, sem ter que baixar apps extras.

Raspbian inclui aplicativos do Office, Minecraft, um navegador web e ferramentas para permitir que você a começar com as principais linguagens de programação o Raspberry Pi é projetado

para ajudá-lo a aprender. Scratch é talvez o mais interessante destes para os compradores mais jovens e menos experientes. É uma linguagem de programação visual, muito menos assustadora do que C, o que é perfeito para criar programas simples e jogos sem necessidade de muita experiência.

Você não está limitado a Scrath, porém, você pode programar o que quiser na linguagem C e Python também.

O Raspberry Pi 3, e todos os outros Pis, são um caminho de baixo custo para experimentar e aprender essas linguagens. Mas o triunfo real é como essa capacidade é transformada em algo mais graças ao catálogo gigante de tutoriais bem apresentados disponíveis no site do Raspberry Pi. Existem mais de 100 disponíveis, cobrindo Python, Scrath e C.

04

Estes incluem uma série de acessórios. Se você ou seu filho estão pretendendo realmente entrar no mundo Raspberry estejam cientes de que você estará gastando mais do que USD 35 ao longo da vida de um projeto, mas será muito mais barato do que uma obsessão Lego no longo prazo.

Deixe-me ser honesto: eu usei recursos do Raspberry Pi, muito mais sobre a criação de um media player, ou instalar alguns emuladores de jogos e reviver memórias do SNES ou MegaDrive mas você pode ir muito mais longe que isso.

Existem vários players de mídia disponíveis, incluindo de diferentes ramos do KODI. Você pode instalar através do noobs, que é um instalador via download que lhe permite escolher entre todos os sistemas operacionais Pi principalmente sem ter de caçar instaladores separados. Estes incluem Raspbian, OpenELEC e vários outros.

05RASPBERRY PI 3 – PERFORMANCE

Existem três principais benefícios para o Raspberry Pi 3 sobre o Pi 2. Tem Bluetooth; tem Wi-Fi; e tem uma forma mais poderosa de CPU / GPU.

Vamos lidar com a CPU em primeiro lugar. O Raspberry Pi 3 tem uma CPU Broadcom BCM2837. Este é um 1.2GHz CPU quad-core com o processador Cortex-A53, como usado em chipsets de telefone de entrada Snapdragon da Qualcomm.

A Broadcom BCM2837 é uma CPU de 64 bits, mas o principal benefício da atualização é que este chip é mais eficiente e muito mais poderoso do que o do Raspberry Pi 2 – um quad-core Cortex-A7 Broadcom BCM2836.

A diferença de poder é muito maior do que o movimento de um processador quad-core de 900MHz a um 1.2GHz quad-core se poderia sugerir.

06

A alegação era que o Pi 3 é 50% mais potente que o Pi 2, e é isso que estes resultados sugerem; na verdade, é realmente mais perto de 60% quando medido o resultado de performance puramente no Geekbench 2.4.2.

A GPU é mais poderosa, também, mesmo que sejam da mesma família VideoCore IV. Por quê? Velocidade do clock. O Raspberry Pi 3 tem uma GPU de 400MHz, o Pi 2 a 250MHz a RAM permanece em 1GB de DDR2.

07

Para uso básico de vídeo-streaming, não há uma grande diferença para ser visto entre as duas gerações – mas apenas porque o Raspberry Pi 2 já tinha poder o suficiente para sobreviver, a menos que você estivesse usando o codec H.265 mais recente em seus vídeos. Se você quiser ver a diferença entre os dois, emulação de jogos é a maneira mais fácil de descobrir.

Enquanto o Raspberry Pi 2 pode rodar jogos de 16 bits, como o SNES, em full-speed e que luta com muitos jogos de N64 para poder rodar, o mesmo é verdade para o Pi 3. No entanto, vários jogos que eram apenas jogáveis em um Pi 2 agora tem melhor performance no Pi 3, incluindo The Legend of Zelda: Ocarina of Time..

Não há uma grande mudança no que o Pi 3 pode fazer, mas oferece uma melhoria que é fácil de perceber.

08

USANDO O RASPBERRY PI COMO UM PC

A potência extra da PI 3 também torna muito menos frustrante para usar como um PC para navegar na Internet, trabalho e daqui por diante. Agora um lag é muito menos percebido quando se utiliza a interface Raspbian básica.

Eu continuo a achar a prestação de páginas da web no navegador padrão um pouco lenta, no entanto, no Pi 3 é muito mais fácil de conviver que o Raspberry Pi 2.09

SE VOCÊ COMPRAR O RASPBERRY PI 3?

O Raspberry Pi 3 certamente vale a pena o upgrade a partir do Pi Zero. É também muito mais poderoso do que o Raspberry Pi 2, mas para muitas pessoas o benefício mais visível não será a potência extra, mas que você não precisa de nenhum desses dongles irritantes para fazer o wireless no computador.

Essas conexões e potência extra “livre” (que custa aproximadamente o mesmo que o Pi 2 fez no lançamento) fazem deste o único Pi para comprar se há uma chance de que você pode usá-lo como outra coisa senão uma maneira de treinar com o Scratch / Python, ou para jogar alguns arquivos MP4 baixados da internet.

Enquanto há uma série de alternativas, nenhum deles conseguiu oferecer tão convincente um pacote para este tipo de investimento. Ao invés de ficar todo animado sobre o hardware, no entanto, é realmente uma boa idéia dar uma olhada em alguns dos tutoriais da Fundação Raspberry Pi para ver se os mini-projetos oferecidos te atendem.

Eles podem ser destinado a um público jovem, mas sua apresentação torna-os adequados para todas as idades. Se não há nada lá para você se animar sobre a aprendizagem de programação, ou que não é o seu objetivo, você pode tentar uma das várias alternativas para emulação.

CONCLUSÃO

O melhor Pi ainda continua a oferecer melhor relação custo/benefício e um apelo para entusiastas de tecnologia e futuros programadores e aqueles que apenas querem utilizálo como uma central multimídia ou de jogos.

 

Projetos com Pi:

 

Gostei(3)Não Gostei(1)

Nintendo 2DS: será que dessa vez vai?

2DS
O Nintendo 3DS já está aí faz um bom tempo, porém uma de suas principais inovações, a mesma que causou tanta intriga e curiosidade antes de seu lançamento, logo se tornou algo relativamente indiferente para a grande maioria dos usuários.
E com isso, veio a pergunta: “será que o valor extra por uma função 3D que eu provavelmente irei desligar vale a pena?”.

A pergunta ficou no ar durante um tempo, mas a resposta da Nintendo chegou.
Aproximadamente três anos depois, a empresa anuncia o Nintendo 2DS; uma versão mais simplificada do 3DS, com um design não dobrável e mantendo as mesmas compatibilidades de seu irmão mais velho, porém sem o 3D.
A recepção do público foi mista. O preço se tornou bem mais acessível, porém por conta de seu design, o console havia perdido um pouco de sua portabilidade, e de certo modo, sua “elegância”.

Há duas semanas atrás (27 de abril, 2017), a Nintendo anuncia seu sucessor, o Nintendo 2DS XL



Reggie Fils-Aime, presidente da Nintendo dos Estados Unidos, disse em uma entrevista para a revista Time que ele é um produto destinado à pessoas que querem algo “entre” o 2DS e o 3DS XL

“Nós sentimos que o Nintendo 3DS XL, a um preço de U$199, é uma experiência completa. […] E então nós ouvimos dos consumidores, ‘Cara, eu gostaria que houvesse um meio-termo.’’

E aqui está ele. Voltando ao estiloso design dobrável e contando com uma tela 80% maior, ele promete oferecer a mesma experiência do 3DS XL, porém sem o 3D.


O Nintendo 2DS XL chegará primeiro na Austrália, no dia 15 de Junho, custando 200 dólares australianos(aprox. R$470), sendo lançado em seguida na Europa e nos Estados Unidos, custando 149 dólares (aprox. R$475).


Agora voltando à pergunta: será que dessa vez vai dar certo?
Na minha opinião, sim. Sim senhor.

 


Texto Redigido pelo colaborador YunPi.

Gostei(2)Não Gostei(0)